Krithi KaranthReduzir os atritos entre a população e os animais selvagens na Índia

Publicado em 2019clockTempo de leitura: 2min 4s
scroll-down

Com o crescimento acentuado da população mundial, que deve bater na casa dos 8 bilhões de habitantes, aumentam os conflitos por alimentos, recursos naturais e espaço entre seres humanos e a declinante população de animais selvagens. Mas a conservacionista Krithi Karanth vem mostrando que esse problema pode ser minimizado.

localizaçãoÍndia

Em seu país natal, a Índia, todos os anos são contabilizados centenas de milhares de casos de conflitos entre comunidades e animais selvagens, como leopardos, tigres e elefantes. Em decorrência disso, são registrados danos, ferimentos e mortes de ambos os lados.

Os animais selvagens ignoram as fronteiras traçadas pelos seres humanos, por isso pessoas e rebanhos são muitas vezes feridos ou mortos e lavouras e equipamentos, destruídos. As comunidades, por sua vez, costumam revidar, matando os animais selvagens, explica Karanth.

O governo indiano desembolsa mais de 5 milhões de dólares em indenizações a agricultores e habitantes de vilarejos pelos danos causados anualmente pelos animais selvagens. Porém, segundo Karanth, os 80 mil casos indenizados representam apenas uma ínfima parcela dos conflitos, pois o governo não dispõe de recursos suficientes para processar rapidamente os pedidos de indenização.

No âmbito do conflito entre o ser humano e a vida selvagem, é preciso ceder parte das terras aos elefantes e parte dos rebanhos aos tigres.

Krithi Karanth

Filha de um biólogo e conservacionista de tigres, Karanth cresceu cultivando um amor sem limites pelas maravilhas da natureza ameaçada da Índia. “Comecei a ver tigres e leopardos quando tinha dois anos. Aos oito anos, monitorava tigres com meu pai, e na adolescência aprendi a instalar armadilhas fotográficas. Passei os primeiros 17 anos de minha vida em contato com a natureza, e para mim era assim que todas as crianças viviam”.

Posteriormente descobriu, consternada, que a realidade era bem diferente. À medida que a Índia avança para a posição de país mais populoso do mundo, suas reservas naturais representam somente 5% das terras, porcentagem bem inferior às áreas protegidas em países comparáveis. No entanto, 70% dos tigres e 50% dos elefantes asiáticos do planeta vivem em território indiano.

A abordagem do conflito entre animais selvagens e seres humanos de Karanth é simples, tendo como base lições aprendidas e técnicas comprovadas. Em 2015, criou um número gratuito para os habitantes dos vilarejos solicitarem ajuda para fazer pedidos de indenização por prejuízos causados pelos animais. Conhecido como Wild Seve, o serviço atende meio milhão de pessoas espalhadas por 600 vilarejos nas proximidades dos parques Bandipur e Nagarahole, no estado de Karnataka. Já foram feitos 15 mil pedidos de indenização, no valor de US$ 555 mil, em nome de 7 mil famílias. O pragmatismo da abordagem contribuiu para melhorar o clima de confiança no seio da comunidade e reduzir a hostilidade aos animais selvagens.

A conservacionista está ampliando o projeto Wild Seve para mais três parques e mil vilarejos. Ela usa a tecnologia móvel para identificar áreas problemáticas que necessitam atenção particular e vem fazendo testes de campo em mil domicílios situados em áreas de alto conflito usando abrigos à prova de predadores, bem como lavouras e cercas alternativas para reduzir os danos às plantações e aumentar a segurança dos habitantes e de seus rebanhos.

Para Karanth, o trabalho no âmbito do comportamento e da sensibilização das populações locais é essencial. Paralelamente, lançou o Wild Shaale, um programa educativo de preservação destinado a 30 mil crianças de 500 escolas situadas em áreas de alto conflito. No futuro, Wild Seve e Wild Shaale poderão se transformar num modelo de preservação para outros países. “Acredito que possa funcionar na África, na América do Sul e em alguns países da Ásia, onde pessoas e animais selvagens vivem próximos uns dos outros”.

“Sou uma eterna otimista, nunca desisto”, conta Karanth. “A meu ver, a situação na Índia hoje é melhor que 50 anos atrás. Muitas regiões e espécies enfrentam problemas, mas contamos com tecnologia e o apoio público para proteger os animais selvagens. Temos acesso a recursos que não existiam há 10 ou 20 anos. Só precisamos ter a inteligência de utilizá-los a tempo”.

  • 5%

    Porcentagem do território indiano reservado à natureza

  • 70% dos tigres e 50% dos elefantes asiáticos do planeta vivem na Índia

Programa

Prêmios Rolex de Empreendedorismo

Descubra