Bruktawit TigabuO boneco que salva vidas

Publicado em 2010clockTempo de leitura: 50s
scroll-down

Horrorizada com a morte de milhares de crianças vítimas de doenças evitáveis em seu país, uma professora etíope inventou uma maneira divertida de sensibilizá-las aos hábitos de higiene.

localizaçãoEtiópia

Milhões de crianças da Etiópia e de países vizinhos assistem aos programas estrelados por Tsehai, um fantoche de girafa, e seus amigos fantoches de animais. As crianças assistem a seu programa de TV predileto e aprendem as regras básicas de higiene, como lavar as mãos. Esses hábitos do dia a dia podem salvar suas vidas em um país no qual 300 mil crianças de menos de cinco anos morrem anualmente vitimadas por doenças como a diarreia.

A maioria das crianças etíopes conhecem e adoram a Tsehai. Os adolescentes cresceram assistindo ao programa.

Esse milagre se realizou quando Bruktawit Tigabu resolveu abandonar sua carreira de professora para transformar o país na sua sala de aula, associando imaginação e uma dedicação a toda prova para salvar vidas. Seu esforço conquistou reconhecimento e financiamentos provenientes da Etiópia e de outros países, como França, Japão e Estados Unidos, onde Tsehai chegou a ser comparado com a Vila Sésamo.

Whiz Kids Workshop, a pequena empresa que Tigabu e seu marido, Shane Etzenhouser, criaram em 2005 para produzir o programa "Tsehai adora aprender" ampliou sua proposta humanitária. Hoje sua meta é ajudar os mais jovens a aprender a ler e ensinar noções de vida e ética às crianças mais velhas. Produzido originalmente em língua amárica, Tsehai é transmitido nos países vizinhos e dublado nas línguas locais, como somali, tigrínia e árabe sudanês. “Não se trata de um problema exclusivamente etíope, mas de um problema africano”, afirma Tigabu, que também está produzindo uma série de livros em que a girafinha Tsehai é o personagem principal.

  • 18

    Funcionários trabalham na Whiz Kids Workshop

  • Até 5 milhões

    De crianças pequenas assistem ao programa da girafa Tsehai. A maioria delas não se beneficia de acesso aos cuidados na primeira infância

Programa

Prêmios Rolex de Empreendedorismo

Descubra

Compartilhe esta página