“A música é uma transação entre você e outra pessoa. Sem a transação, nada acontece”.

Philip Glass, mestre de música 2017Ler mais

A Rolex oferece a artistas iniciantes um tempo para que possam aprender, criar e crescer.

O dom do tempo

O Programa Rolex de Mestres e Discípulos é uma iniciativa filantrópica internacional que seleciona jovens talentos no mundo todo a fim de propor uma colaboração criativa com um renomado mestre no âmbito de uma relação de tutoria individual. Desde 2002, a empresa vem promovendo o encontro entre mestres e discípulos nas áreas de artes visuais, arquitetura, cinema, dança, literatura, música e teatro.

A proposta é que os mestres e os discípulos convivam durante pelo menos seis semanas, mas muitos passam um tempo consideravelmente maior juntos. São eles que decidem onde se reunirão e como desejam colaborar. Isso significa que o discípulo pode acompanhar de perto o trabalho do mestre ou ambos podem estabelecer uma colaboração para realizar um trabalho conjunto.

Alguns dos maiores artistas do mundo aceitaram orientar um discípulo durante um ano

A tradição da tutoria

A colaboração com um mestre como forma de aprender e ampliar o potencial de um artista é uma prática ancestral que goza de grande prestígio. Como método estruturado, o sistema existe desde a época dos grandes pensadores da Idade de Ouro da Grécia Antiga.

Em tempos menos remotos, são muitos os exemplos de artistas que trabalharam juntos em um sistema de tutoria, como o compositor e maestro alemão Christian Gottlieb Neefe, modelo de inspiração para o jovem prodígio Ludwig van Beethoven, e o pintor impressionista francês Camille Pissarro, que dedicou sua vida a incentivar jovens pintores como Paul Gauguin, Georges Seurat e Paul Cézanne.

Compartilhe esta página