Cristina Bubba ZamoraTecer a história

Publicado em 1998clockTempo de leitura: 45s
scroll-down

Cada fibra dos tecidos sagrados das comunidades que vivem nas montanhas bolivianas é impregnada de um passado ancestral. Infelizmente, centenas desses preciosos tecidos foram roubados e vendidos para colecionadores norte-americanos, privando as comunidades de um símbolo importante de seu patrimônio cultural.

localizaçãoBolívia

Depois de anos de batalha, numerosas viagens para os Estados Unidos a fim de identificar o material têxtil e dar entrada em processos judiciais, além de dois depoimentos como testemunha em julgamentos no Canadá, a psicóloga social Cristina Bubba Zamora conseguiu reaver aproximadamente 500 peças de tecidos que haviam sido levadas para os Estados Unidos e o Canadá. As peças tinham sido originalmente roubadas de Coroma, uma comunidade de 30 vilarejos situados nos planaltos dos Andes bolivianos e de outras comunidades indígenas na Bolívia.

Os habitantes dos vilarejos sentem que venceram uma batalha contra uma potência mundial. Eles estão mais confiantes e acreditam na capacidade de encontrar soluções para os problemas da comunidade.

Além de organizar exposições com fotografias dos tecidos, em 2003 Cristina Bubba Zamora criou a Fundação ILLA, que objetiva promover a identidade étnica dos povos nativos da Bolívia. Em parte graças a seu trabalho, a Bolívia e os Estados Unidos adotaram leis que proíbem a exportação e a importação de tecidos sagrados bolivianos. Seu projeto beneficiou milhões de pessoas no país. “Meu trabalho contribuiu também para valorizar os têxteis em geral, ressaltando em particular sua importância histórica e sua função em cerimônias rituais”, afirma ela. Cristina Bubba Zamora espera efetuar pesquisas sobre têxteis em outras comunidades da Bolívia.

  • 500

    Número aproximativo de tecidos que Cristina Bubba Zamora recuperou

Programa

Prêmios Rolex de Empreendedorismo

Descubra

Compartilhe esta página