Eric GilliEstudo de cavernas para prevenir terremotos

Publicado em 1996icon-clockTempo de leitura: 0min 57s
icon-scroll-down

O geólogo francês Eric Gilli estuda os vestígios de antigas atividades sísmicas e desenvolveu um novo método para a previsão de terremotos.

localizaçãoFrança

Prever terremotos é uma das tarefas mais problemáticas da previsão de desastres naturais. Os cientistas observam o movimento das placas tectônicas e a localização de zonas de falhas geológicas. Também fazem cálculos baseados no local e na época em que já ocorreram. Mas, e se não houver registros de tremores na região?

As cavernas são lugares excelentes para o registro de fenômenos naturais. Do mesmo modo que o ambiente subterrâneo preservou registros pré-históricos humanos — pinturas, ossos, ferramentas — durante milhares de anos, também preservou os vestígios de vários movimentos terrestres.

As cavernas podem nos dar informações que, do contrário, seriam impossíveis de encontrar. Eric Gilli, espeleólogo apaixonado por seu trabalho e pioneiro nesse campo desde 1980, teve a ideia de procurar traços de terremotos ou movimentos de falhas geológicas nas grutas e cavernas. Por exemplo, estalactites e estalagmites que não se encontram uma diante da outra indicam que o teto se deslocou. Através da datação por radioisótopos, os geólogos podem reconstituir os movimentos para indicar tremores de terra ocorridos há milhares de anos.

“Esperamos que isso nos permita propor um método de avaliação do risco de terremotos em um grande número de regiões onde não existem dados históricos”, explicou Gilli, cujo Prêmio Rolex permitiu coletar dados em áreas de alta atividade sísmica e apresentar seu método a geólogos no exterior.

Ele fez viagens de campo a diversos países, que deram origem a um livro publicado em 2011. Atualmente professor de sensoriamento remoto, geomorfologia e geologia na Universidade Paris 8, Gilli escreveu 130 artigos científicos e cinco livros de estudos sobre cavernas e suas aplicações. Também viajou a Sarawak, na Malásia, para fotografar o maior salão subterrâneo do mundo.

  • 30.000

    Anos de dados sobre terremotos que o método de exploração de cavernas de Gilli poderá nos revelar

Ver todos os projetos

Programa

Prêmios Rolex de Empreendedorismo

Descubra mais