Gordon SatoA vida que brota nos mangues do projeto Manzanar

Publicado em 2002clockTempo de leitura: 50s
scroll-down

Graças ao método radical de usar água do mar para a irrigação, preconizado por Gordon Sato, os vilarejos pobres do litoral da Eritreia conseguiram desenvolver uma economia autossuficiente.

localizaçãoEritrea

Depois de se aposentar, o eminente biólogo americano Gordon Sato, falecido em 31 de março de 2017, dedicou sua vida a ajudar a população da Eritreia a ajudar a si mesma. Seu indefectível engajamento deu origem a um sistema de economia agrícola sustentável extremamente simples, destinado às comunidades pobres do litoral, que passaram a plantar florestas de mangue onde antes nada se desenvolvia.

Os métodos simples desenvolvidos por eles podem ser aplicados em regiões de deserto em qualquer lugar do mundo. Países como a Somália não precisam mais morrer de fome.

Motivado por relatos sobre a fome que assolava o país, Gordon Sato esteve na Eritreia pela primeira vez em 1985, quando a nação estava mergulhada na guerra contra a Etiópia, lutando por sua independência. Foi nessa época que deu início a um projeto de pesca e agricultura denominado Manzanar, em homenagem à histórica experiência de sua família – japoneses que viveram em um campo de concentração chamado Manzanar, nos Estados Unidos, após a Segunda Guerra Mundial.

Gordon Sato voltou à Eritreia várias vezes. Depois de se aposentar, em 1992, decidiu passar metade do ano no país. Em um dos lugares mais pobres e secos da Terra, o projeto Manzanar explora recursos abundantes na região costeira – a luz do sol e a água do mar – para cultivar florestas de mangue em um solo inicialmente árido, gerando uma fonte de alimentação para os rebanhos e um habitat para os peixes. O resultado dessa impressionante iniciativa sem fins lucrativos é que hoje um manguezal com mais de um milhão de árvores se espalha pelo litoral do país.

Por sua determinação em levar ajuda à população da Eritreia, em 2002 Gordon Sato recebeu o Prêmio Rolex. Na época com 74 anos, foi o mais idoso de todos os laureados. O projeto Manzanar continua crescendo e atualmente está sendo implantado na Mauritânia. Autor de mais de 150 artigos, Gordon Sato foi agraciado com o Prêmio Blue Planet em 2005.

  • 60.000

    Mudas para manguezal foram cultivadas pelo projeto Manzanar em 2001

  • 2.000

    Pessoas poderiam ser alimentadas pelo projeto Manzanar, graças ao fornecimento de pasto para a criação de rebanhos

  • 15

    Porcentagem da costa da Eritreia em que os mangues florescem naturalmente

Programa

Prêmios Rolex de Empreendedorismo

Descubra

Compartilhe esta página