scroll-down

Feito para durar

Longevidade, confiabilidade, continuidade

Hans Wilsdorf cultivava a perenidade como um modelo de visão do mundo. Com progressos que ele promoveu nas áreas de design, materiais e ciências, cada relógio da marca também tornou a ser “Perpetual”. Em pleno século XXI, suas realizações continuam sendo parte integrante da cultura da empresa que, como guardiã dos valores por ele defendidos, integra o mais alto padrão de excelência em todos os aspectos da produção. Cada artesão, engenheiro ou cientista que trabalha para a Rolex tem orgulho em preservar e desenvolver a qualidade pela qual a marca é conhecida. 

Hoje a visão de Hans Wilsdorf representa um modelo inequívoco de modernidade. Com o rotor Perpetual, o Oyster funciona automaticamente graças aos suaves movimentos do pulso, sem requerer outra fonte de energia externa. Desenvolvido para o nosso tempo, o Oyster Perpetual é um relógio atemporal – feito para durar.

A extraordinária beleza do mecanismo automático se manifesta nos minúsculos elementos que formam centenas de componentes mecânicos produzidos com rigor extremo e perfeitamente posicionados numa caixa robusta e impermeável. No entanto, para perpetuar o movimento e continuamente indicar as horas com precisão, não basta desenvolver uma sólida expertise científica. É indispensável cultivar uma filosofia da qualidade e acreditar que o aprimoramento contínuo e a excelência duradoura contribuirão positivamente para as próximas gerações. Essa filosofia é o que leva a Rolex a ampliar as fronteiras do possível em todos os aspectos de sua atividade, dia após dia. Em busca da excelência permanente, nada é deixado ao acaso –— nem os equipamentos especializados que a empresa desenvolveu para produzir e testar os relógios, nem os laboratórios dedicados aos projetos de pesquisa e desenvolvimento da marca, nem as oficinas constantemente otimizadas para garantir um trabalho da mais alta qualidade. Cada relógio deve oferecer o que a Rolex tem de melhor. E nada ilustra tão bem o caminho percorrido pela empresa em busca da excelência quanto o know-how técnico desenvolvido no campo da impermeabilidade.

Em 1926, Hans Wilsdorf lançou o Oyster, primeiro relógio de pulso impermeável do mundo. Pouco mais de 30 anos depois, em 1960, a expertise da Rolex foi mais uma vez comprovada quando um relógio da marca, instalado na parte externa do batiscafo Trieste, participou de uma expedição à Fossa das Marianas, a região mais profunda do oceano. Em toda a história da humanidade, só foi possível empreender essa viagem duas vezes. A mais recente foi realizada em 2012, quando o explorador e cineasta James Cameron mergulhou, a bordo de um submersível, rumo ao ponto mais profundo da Fossa das Marianas, com o relógio experimental Rolex Deepsea Challenge fixado à parte externa por um braço hidráulico. Como na primeira expedição, o relógio continuou indicando a hora exata a quase 11 quilômetros de profundidade e, resistindo a uma pressão equivalente a mais de 12 toneladas, voltou intacto à superfície.

  • Em 1960, a expertise da Rolex foi mais uma vez comprovada quando um relógio experimental da marca, o Deep Sea Special, instalado na parte externa do batiscafo Trieste, desceu até o ponto mais fundo dos oceanos, na Fossa das Marianas.

  • Em 2012, o explorador e cineasta James Cameron mergulhou, a bordo de um submersível, rumo ao ponto mais profundo da Fossa das Marianas com um relógio experimental, o Rolex Deepsea Challenge, fixado à parte externa por um braço hidráulico.

A Rolex desenvolveu relógios para cada tipo de desafio – relógios para mergulho, automobilismo ou escalada; relógios para voar, velejar ou explorar. Ao longo dos anos, a empresa aprimorou constantemente seus produtos, integrando novas funções para reforçar ainda mais a segurança do usuário.

As mais de 500 patentes registradas pela Rolex nesses anos são a maior prova do empenho contínuo da marca para oferecer inovação, novos designs e métodos inéditos de engenharia, abrangendo detalhes que vão desde novos discos para a luneta até os mais sofisticados componentes do mecanismo. Um excelente exemplo de aprimoramento dos componentes é o escape Chronergy. Com seus movimentos alternados, responsáveis por produzir o inconfundível tic-tac dos relógios mecânicos, o escape desempenha um papel de extrema importância na medição do tempo realizada pelo mecanismo. Esse triunfo da microtecnologia só é possível graças a um processo de produção extremamente complexo e preciso, que mobiliza a ampla expertise e engenhosidade da Rolex.

Paralelamente, novos procedimentos conferiram uma estética mais apurada aos relógios, sem que sua lendária robustez fosse afetada, evidentemente. A luneta com disco Cerachrom de cerâmica vermelha e azul, presente no modelo GMT-Master II, é fruto de um longo trabalho de pesquisa e desenvolvimento, que necessitou a associação de ingredientes químicos de alta complexidade e um processo exclusivo para dar o melhor acabamento possível às cores da luneta. Após o tratamento térmico, a rigidez do material faz com que a luneta seja praticamente à prova de arranhões.

Muitas outras inovações comprovam a excelência das pesquisas sobre materiais desenvolvidas pela Rolex. Por exemplo, o exclusivo ouro Everose, que se destaca pela elegância de seus reflexos rosados. Ou ainda o Oystersteel, superliga de aço que, além de ser altamente resistente a choques e arranhões, apresenta um brilho único após o polimento.

A extraordinária beleza do mecanismo automático se manifesta nos minúsculos elementos que formam centenas de componentes mecânicos produzidos com rigor extremo e perfeitamente posicionados numa caixa robusta e impermeável.

Todas essas operações são efetuadas na Suíça, de forma que a Rolex tenha controle absoluto sobre a qualidade de seus produtos. O trabalho é realizado em quatro unidades, onde os componentes essenciais são desenvolvidos e fabricados. Abrangendo desde as fases de fundição do ouro e fabricação de minúsculos pivôs e molas até a confecção das caixas e a montagem final, cada etapa do processo é realizada nas instalações da Rolex. Para completar, cada mecanismo recebe a certificação conferida pelo COSC (Contrôle Officiel Suisse des Chronomètres) antes de ser inserido na caixa. Em seguida, o relógio, desta vez inteiramente montado, é submetido a testes rigorosos a fim de verificar se é digno da certificação de Cronômetro Superlativo, simbolizada pelo selo verde, que acompanha cada relógio, juntamente com uma garantia internacional de cinco anos.

Os relógios Rolex são um objeto de grande beleza – beleza esta que vai muito além da aparência externa ou do extraordinário universo mecânico que pulsa dentro da caixa. Numa era em que poucas coisas têm a garantia de durar, os relógios Rolex constituem um tesouro precioso, um convite para refletirmos sobre os valores que desejamos defender e transmitir às próximas gerações. Formando um universo de incomparável excelência criado pela marca como um símbolo de otimismo e um investimento para o futuro, os relógios Rolex são atemporais.

O espírito da criação

Perpetual

Descubra

Compartilhe esta página